Rodolfo Valverde - Jornal do Brasil

“Seu terceiro CD solo demonstra o trânsito livre entre o erudito e o popular na formação da música brasileira. À vontade nas duas vertentes, Eliane se faz acompanhar ao piano com arranjos contemporâneos... este álbum demonstra muito bem seu conhecimento de causa.”

Coluna Harmonia A versátil mezzo-soprano, pianista e flautista Eliane Salek lança hoje, no MAM (11h), e na Sala Baden Powell (20h), o CD produzido em parceria com o projeto Música no Museu, após o sucesso de seus concertos na série especial celebrando os 200 anos da chegada da família real ao Brasil. Reunindo modinhas imperiais e chorinhos de compositores como Joaquim Antonio da Silva Callado, Anacleto de Medeiros e Chiquinha Gonzaga, seu terceiro CD solo demonstra o trânsito livre entre o erudito e o popular na formação da música brasileira. À vontade nas duas vertentes, Eliane se faz acompanhar ao piano com arranjos contemporâneos para várias das obras gravadas, contando com a participação do percussionista Fabiano Salek. O caráter erudito das modinhas de salão fica evidente em Busco a campina serena, de Candido Ignácio da Silva, interpretada com sensibilidade e apuro estilístico pela soprano Rosane Aranda. Depois de um ano de especialização na França, Eliane Salek se tornou responsável por uma turma permanente de música brasileira no Conservatório Nacional de Lyon. Gravado ao vivo no Salão Leopoldo Miguez da Escola de Música da UFRJ, em agosto deste ano, este álbum demonstra muito bem seu conhecimento de causa Jornal do Brasil – 7 de dezembro de 2008 Rodolfo Valverde

Please reload